ISTO É ANGOLA 

30-06-2018

A humidade relativa  do cacimbo de Maio a Agosto que traz o tempo da seca,  que traz o nevoeiro matinal no Zaire, em Malanje e em Luanda, o clima que pesa no passo a passo, passando por Setembro a Março, as chuvas e o calor muitas vezes desfaçado por uma bebe e me deixa ( refrigerante ).

Tem a rodilha como melhor amiga, e o cesto de frutas como mercadoria; quem a vê ao longe sabe que de costas ou de frente basta gritar:

- Tia, Uma laranja, por favor! 

Em horas  de caminhada, cidade à cima cidade à baixo, entre os Candongueiros e os últimos gritos da moda do ramo automóvel; flecte, levanta, ajusta o pano para o bebé não cair. E aqui vai ela! Bacia na cabeça, sempre de sorriso nos lábios e trocos bem contados.


Esta é uma pequena discrição da vida de Zungueira ( vendedora ambulante em Angola), esta é uma pequena homenagem as mulheres que diariamente, sem medos  e preguiças, se devem orgulhar de serem representantes da força da mulher no mercado de trabalho.